Connect with us

Saúde Empresarial

Avanço do Zika e da microcefalia assustam o mundo em 2016

Apesar dos avanços para o desenvolvimento de uma vacina contra o vírus, a expectativa mais otimista é apenas para 2018

 

O aumento de casos de microcefalia possivelmente associados à infecção por um vírus ainda pouco conhecido foi identificado pela primeira vez no Brasil em outubro do ano passado. Em 2016, porém, ano em que a relação entre o Zika e a microcefalia deixou de ser dúvida, o número de bebês com a malformação no país ultrapassou a marca de 2.000.

O problema antes aparentemente limitado à região nordeste se alastrou pelo restante do país, atingindo também outras nações e, virtualmente, todo continente americano. O cenário levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a recomendar que as mulheres adiassem planos de gestação e a declarar, em fevereiro de 2016, emergência global em saúde.

A preocupação aumentou em meio a pesquisas que indicam que os efeitos do vírus no bebê podem ir além do quadro de microcefalia – incluindo diversos comprometimentos motores, visuais e auditivos. Em novembro, o Ministério da Saúde anunciou que bebês de mães infectadas durante a gravidez, ainda que não apresentem sintomas no nascimento, serão acompanhados até os 3 anos de idade.

Transmissão sexual

Em fevereiro, os Estados Unidos confirmaram que o vírus também pode ser transmitido sexualmente, aumentando o temor de uma propagação rápida da doença. Conter novos casos de transmissão de Zika por via sexual passou a entrar no rol de esforços da OMS e de governos de todo o mundo para conter a epidemia.

A entidade chegou a alertar que a epidemia de Zika poderia afetar entre 3 e 4 milhões de pessoas em todo o continente americano. Brasil e a Colômbia foram os países onde mais ocorreram registros de casos de infecção ou suspeita.

Continue Reading
Click para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Advertisement
Advertisement
Advertisement

Veja Também

Copyright © 2018 Dr.Saúde Seu mais novo canal da saúde. Desenvolvido por ag2one.com